Que tipos de atividades podem ser consideradas investigativas?

Já falamos sobre o ensino por investigação e hoje vamos ver os diferentes tipos de atividades investigativas.

São todas iguais? Que tipos de atividades podem ser consideradas investigativas?

Existem diferentes tipos de atividades investigativas, variando com o grau de abertura e de orientação.

Algumas têm uma resposta fechada e esperada, outras não.

Umas demoram semanas ou meses, outras apenas minutos.

Algumas envolvem situações abstratas, outras envolvem situações reais.

Algumas atividades investigativas envolvem a resolução de problemas.

Mas é importante ter clareza de que nem todas as investigações são resoluções de problemas.

Pensando nisso, as diferentes dimensões das atividades de investigação podem ser representadas da seguinte forma:

Os três eixos representados acima não são independentes.

O primeiro, de professor ativo para aluno ativo, indica uma situação contínua com dois extremos.

Num dos extremos, os alunos colocam as questões que orientam as suas investigações.

E no outro extremo, é o professor que coloca essas questões.

O segundo, de abertas para fechadas, representa também uma situação contínua onde existem dois extremos.

Num deles, as atividades de investigação tem apenas um caminho a seguir, possibilitando a existência de uma só solução.

No outro, existem várias respostas para as questões levantadas e vários caminhos a seguir.

E no terceiro eixo, num dos extremos, têm-se atividades diretas e estruturadas, enquanto o outro diz respeito a atividades indiretas e não estruturadas.

Para além disso há também uma tipologia que ajuda a elaborar as atividades para os seus alunos.

Esta classificação é importante de ser considerada no planejamento e implantação de atividades investigativas em sala de aula

Isso porque permite que você varie as atividades e tenha clareza da avaliação de cada uma delas.

Há ainda uma classificação das atividades investigativas  em relação  ao grau de abertura.

investigativas

É essencial que o professor atenda às três fases propostas para a definição do grau de abertura das atividades de investigação a desenvolver com os seus alunos (Monk & Dillon, 1995)

Outros autores que focam este aspecto são Bell, Smetana & Binns (2005).

Estes classificam as atividades em quatro níveis.

No primeiro, a confirmação, os alunos conhecem a questão e o procedimento, assim como os resultados esperados.

No segundo nível, atividades de investigação estruturadas, os alunos investigam uma resposta para a questão colocada pelo professor, sendo-lhes dado o procedimento.

No terceiro, atividades de investigação guiadas, o professor apresenta a questão, mas o método e a solução ficam à responsabilidade dos alunos.

No quarto nível, atividades de investigação abertas, os alunos definem a questão e o método para chegarem a uma solução.

O principal objetivo é ajudar os alunos a desenvolver as competências necessárias que conduzam ao nível quatro.

As atividades de investigação podem ser mais abertas ou fechadas (Woolnough, 2000).

E levam os alunos a elaborar os seus próprios planos, testá-los, analisar e comunicar os seus resultados.

Além de avaliar e modificar as suas experiências.

Destacamos que na perspectiva das investigações como pedagogia, o ensino por investigação é visto como uma abordagem pedagógica de todo o currículo.

E por isso, é importante proporcionar aos alunos um ambiente de aprendizagem em que eles sejam encorajados a explorar, a testar as suas ideias e investigar as situações que lhes são propostas.

Bem como explicar e argumentar suas conclusões.

Como você utiliza as atividades investigativas na sua aula?

Tem algum dificuldade?

Conte aqui para nós!

By | 2018-04-26T21:52:35+00:00 30.05.18|0 Comentários

Sobre o Autor:

Graduada em Ciências Biológicas (licenciatura) pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais, Mestre em Ciências (ênfase Ensino de Biologia) pela Universidade de São Paulo. Trabalha com biologia geral, com ênfase em estratégicas didáticas e linguagem.

Deixar Um Comentário